.

.

sábado, 21 de novembro de 2015

Em Mamanguape padre pede para fiéis não reeleger vereadores

O padre Severino Melo, da Paróquia de São Pedro e São Paulo, de Mamanguape, importante cidade do Litoral Norte paraibano, causou polêmica quando resolveu entrar nos assuntos políticos da cidade. Na Santa Missa, padre Severino ao se dirigir aos fiéis, pediu para que não mais votassem nos vereadores que estão no mandato na Câmara Municipal. O fato foi relatado pelo PB Vale que acompanha os bastidores políticos no Vale do Mamanguape.

O assunto causou mais polêmica ainda, pelo fato de duas das vereadoras, estarem presentes na hora da missa. As vereadoras Amália (PR) e Cacá (PT) estavam assistindo a missa quando em dado momento o padre Severino se dirigia aos fiéis.

De acordo com informações, o padre Severino Melo disse que em uma visita à cidade de Mamanguape, o arcebispo da Paraíba Dom Aldo Pagotto, foi levado para ir alguns pontos, que para o padre seriam críticos.

Para o padre Severino que obteve o segundo lugar nas eleições no Conde, os vereadores não cumprem o papel na Câmara na busca de soluções para os problemas de Mamanguape, por isso sua fala na missa casou polêmica.

O assunto chegou à tribuna da Casa, num discurso da vereadora Amália, que ao ser procurada pela imprensa, não quis se pronunciar.

A vereadora Cacá disse que apresentou um Voto de Aplauso na Casa para o padre Severino e não se arrependeu. Para vereadora falou que o sacerdote foi infeliz e pediu que ele apontasse os nomes e não generalizasse. “Em todo lugar existem pessoas que fazem mais e outros menos”, disse.

O vereador Severino Coelho (PR) disse que não se sentiu atingido com as declarações do padre. O vereador encarou o fato como sendo extremamente democrático. O parlamentar entende que o padre á uma autoridade, assim como o prefeito e juiz da cidade, como todos os direitos de se expressar. “O padre Severino pode ser político, assim como o policial, o evangélico e pode fazer um pedido, mas que atende nossos pedidos é Deus. Padre Severino não me ofendeu”, acrescentou.

Severino Coelho disse que o político deve está preparado para receber criticas. “Se eu não quiser receber critica, saio da política. O político tem que está preparado para receber criticas do padre, do pastor, do bispo, do papa e tudo quanto for sociedade”, finalizou.



PBAgora