.

.

sábado, 28 de janeiro de 2017

Alvo da Operação Andaime é dado como foragido pela polícia

O Ministério Público Federal (MPF) deu uma atualizada nas informações relacionadas com a 4ª fase da Operação Andaime deflagrada sexta-feira (27). De acordo com o MPF, até às 9hs deste sábado (28) foram cumpridas (quatro) prisões preventivas, mantidas na audiência de custódia. O mandado de prisão temporária está em aberto, com acusado foragido.

A etapa atual da Operação Andaime é resultante da continuidade de outras fases investigativas, destinadas a apurar irregularidades em processos licitatórios e contratações públicas em prefeituras da Paraíba, principalmente no que se refere à fraude de procedimentos licitatórios, desvios de recursos públicos, lavagem de dinheiro por intermédio de empresas “fantasmas”, venda de notas fiscais “frias” e emissão irregular de boletins de medição de obras públicas relacionadas a obras de pavimentação contratadas entre 2008 e 2016 no município de Cajazeiras – em condutas delituosas que persistiram mesmo após deflagração da primeira fase da operação. Essas obras envolveram a alocação de verbas superiores a R$ 27.000.000,00 (vinte e sete milhões de reais), majoritariamente, oriundas de repasses firmados com o Governo Federal, através dos ministérios das Cidades e do Turismo.

Apesar de o MPF ter pedido o levantamento do sigilo, por determinação da Justiça Federal em Sousa, as apurações da IV Fase da Operação Andaime - ocorrem em segredo de Justiça.

A força-tarefa que atua nesta etapa é composta por 12 servidores da CGU e 101 policiais federais. No total foram expedidos (quatro) mandados de prisões preventivas, (um) de prisão temporária, (doze) de conduções coercitivas, (vinte e dois) mandados de busca e apreensão, além do sequestro de diversos bens móveis e imóveis, nas cidades de Cajazeiras, João Pessoa e Jaguaribe, no Ceará.



Fonte: Os Guedes