.

.

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Nota de esclarecimento sobre "sequestro" de bem móvel em decorrência de processo judicial

NOTA

Diversas pessoas estão fazendo ilações a meu respeito, no sentido de me acusar, de forma leviana e irresponsável, sobre participação em crimes que estão sendo ainda investigados pelas autoridades policiais.

Esclareço que a presença da Polícia Federal em minha residência se deu para cumprir decisão da Justiça Federal de Sousa de sequestrar meu veículo, sem, contudo, haver qualquer conclusão em inquérito acerca de que eu tenha cometido ou concorrido na prática de crimes.

Estou tranquilo e absolutamente convicto que a Justiça será feita e que a decisão tomada pelo Poder Judiciário foi equivocada e será revista, por meio das medidas judiciais que já estão sendo tomadas, o que levará a comprovação de minha lisura, honestidade e respeito ao patrimônio público, do qual sempre velei através da ocupação de cargos públicos ou funções públicas.

Repudio com veemência as imputações precipitadas contra minha pessoa, o que representa um atentado contra o princípio Republicano da presunção de inocência que deve permear as ações do homem de bom senso.

Ainda desconheço os fundamentos e os documentos que embasaram a decisão de sequestro do meu veículo, por isso não posso me pronunciar sobre o mérito, porém, tão logo tome ciência dos termos de qualquer acusação, apresentarei as devidas informações as autoridades, policial ou judiciária, para que ao final prevaleça a justiça, que será o reconhecimento de que não pratiquei nem participei de qualquer ilícito.

Neste momento me resta uma reflexão: a quem interessa transformar um fato que não representa uma condenação numa acusação tão grave contra mim?

Provarei a minha total inocência. O tempo será o guardião da verdade e esta prevalecerá. 


Francisco Wanderley Figueiredo de Sousa
Cajazeiras, 15/06/2016.