.

.

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Maternidade de Patos cria ambulatório para desenvolver um trabalho com bebês diagnosticados com microcefalia

Referência para mais de 90 municípios do sertão paraibano em atendimento às mulheres, a Maternidade Dr. Peregrino Filho também se destaca no diagnóstico, exames, procedimentos e acompanhamento em casos de microcefalia. Quando o bebê nasce na maternidade, o pediatra e a enfermeira de centro cirúrgico e centro obstétrico fazem a medição do perímetro cefálico no ato do nascimento. Após 24h, essa medicação é feita novamente pela enfermeira do CIRCOR, responsável pelo teste do coração. Após a suspeita de microcefalia, é iniciado pela enfermeira da vigilância epidemiológica, Abymaelle Katyane, o questionário de investigação, solicitado à sorologia da mãe e do RN, e também a notificação ao responsável.

Esses cuidados e procedimentos já veem sendo feitos desde o ano passado. A novidade agora é a instalação de um Ambulatório de Microcefalia para acompanhar e realizar um trabalho específico dos casos confirmados da doença. O espaço, que está sendo montado, vai funcionar as terças e quintas-feiras, das 8h ao meio-dia e das 14h às 18h com a demanda que já existe. Segundo a diretora assistencial da Maternidade de Patos, Luciana Maia, dependendo do aparecimento de novos casos, o trabalho deverá ser ampliado. A expectativa é iniciar os atendimentos no local ainda este mês.

Essa semana, a Maternidade ganhou importante reforço com a formalização de uma parceria com a Faculdade Integradas de Patos (FIP) com o recebimento de doações de equipamentos e brinquedos para o ambulatório. Em contra partida, alunos do curso de Fisioterapia da Faculdade irão atuar no ambulatório da unidade. “A fisioterapia é indicada nestes casos e pode ajudar no desenvolvimento físico e mental das crianças, através dos estímulos. Quanto mais estímulo à criança tiver, melhor são os resultados que influenciam nas habilidades cognitivas, sensoriais, propiciando uma melhor qualidade de vida”, explica Luciana Maia.

Inicialmente, a equipe multidisciplinar do ambulatório da Maternidade contará com a uma pediatra, três fisioterapeutas, um fonoaudiólogo, um psicólogo e uma assistente social. Entre os itens doados pela FIP destacam-se um divã tablado, diversos rolos, bolas suíças, cavalinho Upa Upa, brinquedos coloridos e que emitem som, além de tapete emborrachado e espelhos. O ambulatório funcionará em uma sala na sede do Banco de Leite da unidade.

A Maternidade Dr. Peregrino Filho também faz a USG transfontanela, que é uma  ultrassom para observar presença de calcificações, e o exame da coleta do Liquor, que consiste na punção do líquido cefaloraquidiano. A neonatologista Dra. Vandezita Mazzaro é a responsável pela realização do procedimento, que requer um período de observação pós-exame do bebê de seis a oito horas. A sorologia da coleta é enviada para o laboratório Lacen, em João Pessoa. “Tudo que diz respeito à microcefalia nós já fazemos na Maternidade”, finaliza Luciana Maia.

Assessoria-HRP