.

.

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Bancada paraibana na Câmara tende a reprovar as contas de Dilma

Com a reprovação das contas da presidente Dilma Rousseff no Tribunal de Contas da União (TCU), alguns parlamentares já apostam no fim do mandato da petista. Pelo menos metade da bancada paraibana ouvida pelo JORNAL DA PARAÍBA na Câmara dos Deputados não dá indicativo de que votará pela aprovação das contas da presidente. Três deputados afirmaram que vão acompanhar o parecer do TCU e outros três ainda vão analisar as contas e discutir a matéria com suas respectivas bancadas partidárias.  
 
O Tribunal considerou por unanimidade (8 votos) que a presidente descumpriu no ano passado a Constituição e as leis que regem os gastos públicos, o que impede a aprovação da prestação de contas de 2014. As irregularidades apontadas pelo TCU somam R$ 106 bilhões, sendo R$ 40 bilhões referentes às “pedaladas fiscais”. 
 
Para o deputado Efraim Filho (DEM) o parecer do TCE mostra que há provas suficientes das irregularidades praticadas pela presidente, o que viabiliza a abertura do processo de impeachment de Dilma Rousseff. O entendimento é parecido com o de Pedro Cunha Lima, que promete acompanhar o entendimento do tribunal. Para o deputado tucano, a situação chegou a uma situação insustentável, e o mandato de Dilma Rousseff se aproxima do fim.  
 
Dentre os parlamentares que tendem a votar pela reprovação das contas da presidente, Benjamin Maranhão (SD) relacionou a crise econômica deste ano com as ilegalidades praticadas por Dilma Rousseff no exercício de 2014. “O que o TCU apontou a população tem vivenciado na carne.  Aumento de preços, da inflação, tudo isso é consequência do que aconteceu em 2014”. 
 
Na bancada paraibana há também aqueles que optaram por não antecipar uma avaliação sobre as contas. Manoel Júnior (PMDB), por exemplo, vai aguardar orientação do partido para então definir o seu voto. A bancada peemedebista se reúne na próxima terça-feira para discutir o parecer do TCU, analisar o acórdão e definir como irá votar. 
 
Da mesma forma, o deputado Wilson Filho (PTB) afirmou não conhecer detalhes do processo e por este motivo preferiu não antecipar seu voto. “Vamos aguardar os detalhes das contas chegarem ao Congresso. Como a questão estava no TCU, todos os argumentos contra e a favor da presidente estão lá”, disse. 
 
Por sua vez, apesar de reconhecer que o quadro é preocupante, o deputado Rômulo Gouveia (PSD), que integra a base da presidente na Câmara dos Deputados, afirmou que ainda vai analisar minuciosamente o parecer do TCU. A bancada do PSD acordou que todos os parlamentares seguirão um único posicionamento. 
 
Luiz Couto (PT) foi o único que saiu em defesa da presidente. Na avaliação de Couto, o julgamento foi político e teve o resultado que já estava programado antes mesmo da sessão ser iniciada. Para ele, a rejeição das contas foi parte da estratégia de tentativa de golpe contra a presidente Dilma Rousseff.
 
Dos senadores paraibanos, apenas Cássio Cunha Lima (PSDB) se pronunciou sobre a rejeição das contas da presidente. Ele considerou que o parecer do tribunal mostra o abuso de poder político e econômico, além do crime de responsabilidade.
 
Jornal da Paraíba