.

.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Repórter do Fantástico veio a Cajazeiras e região e causou correria e medo para envolvidos na “Operação Andaime”

O repórter Eduardo Faustini da Rege Globo de Televisão, do quadro investigativo “Cadê o dinheiro que tava aqui” do Fantástico, apresentado aos domingos em horário nobre – veio gravar na região do Sertão paraibano e, consequentemente, o mesmo, obteve com exclusividade novas informações ainda não reveladas sobre a “Operação Andaime”, organização criminosa, segundo a Polícia Federal, MPPB, CGU e Gaeco - chefiada pelo ex-candidato a prefeito por Cajazeiras, o empresário Mário Messias Filho, o “Marinho”.

Iniciadas as gravações pelas cidades de Marizópolis e Joca Claudino, na segunda-feira (25) a prefeita Lucrécia Adriana foi entrevistada e respondeu as indagações sobre o envolvimento do seu esposo e sua cidade na referida investigação. Faustini filmou obras inacabadas, ouviu populares pelas ruas e seguiu.

Na terça (26) e quarta (27), o repórter investigativo esteve na Terra do Padre Rolim. Na oportunidade, amparado pelos órgãos de segurança, Faustini entrevistou Francisco Justino do Nascimento – onde o mesmo revelou todo o esquema e as pessoas envolvidas na organização criminosa que desviou mais de R$ 18 milhões das prefeituras da região. Ainda de acordo com informações chegadas a nossa reportagem, o alvo da entrevista em Cajazeiras seria a prefeita Denise Albuquerque (PSB), mas Eduardo Faustini não a encontrou na sede da Prefeitura Municipal. O repórter causou uma verdadeira correria ao chegar ao prédio da Edilidade, sendo possível apenas ouvir do secretário de Planejamento – Joselito Feitosa, que a chefe do executivo daria a entrevista, porém, não aconteceu. Assessores, secretários e até o ex-prefeito Carlos Antônio se dirigiram para um escritório de advocacia da família para “elaborar” uma nota e, dessa forma tentar explicar o equivocado envolvimento de um leque de servidores da gestão de sua esposa na “Operação Andaime”.

O assunto tomou conta das redes sociais, das conversas de bares e lugares públicos. A cidade de Cajazeiras voltará ao cenário nacional de maneira trágica; seus habitantes, seus frequentadores atônitos com mais um escândalo de corrupção envolvendo agentes públicos. Agentes estes, que dizem e gritam que amam Cajazeiras, que são apaixonados por Cajazeiras – vergonhoso. Outro fato que podemos suscitar com exclusividade sobre a segunda fase da “Operação Andaime”, foi um trecho da interrogação do irmão do empresário Mário Messias, que depôs à Polícia Federal; com um organograma do esquema, um agente federal chegou a perguntar para Jorge Messias sobre a movimentação financeira de uma conta do Banco do Brasil, onde o mesmo fez um saque e transferiu em seguida para diversas outras contas até que os valores fossem depositados numa conta do Banco do Brasil da cidade de Serra Talhada/PE, o interrogado se fez de desentendido e não soube responder. Vale salientar que a PF, MP, CAEGO e CGU têm todos os nomes e chefes do esquema criminoso enraizado em Cajazeiras e região e, será questão de tempo para que os mesmos sejam presos e possam responder pelos seus crimes contra o patrimônio público.

Na quinta-feira (28), o repórter Eduardo Faustini seguiu para as cidades de Cachoeira dos Índios e Monte Horebe, localidades citadas na “Operação Andaime”. A entrevista completa será apresenta pelo Fantástico da Rede Globo após o carnaval.

Da redação