.

.

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

120 dias e polícia não dá resposta à sociedade sobre duplo homicídio na Zona Rural de Cajazeiras

Está completando neste dia (19/01/2016), (cento e vinte) dias da tragédia, que vitimou mãe e filho no Sítio Papa-Mel, Zona Rural de Cajazeiras.

(mãe e filho)
Foi na noite do dia (19/09/2015) há exatamente quatro meses, que a sociedade cajazeirense e sertaneja do Estado da Paraíba – ficou chocada, após tomar conhecimento de uma verdadeira tragédia, que vitimou mãe e filho. Um bárbaro duplo homicídio foi registro em desfavor do jovem Rafael da Silva de Sá, 22 anos e, sua genitora, Maria Berenice de Sá, 54 anos, ambos residentes no Sítio Papa-Mel, na Zona Rural de Cajazeiras.

Os corpos foram encontrados por outro membro da família, que ao retornar para casa, por volta das 23hs00 daquele sábado (19), encontrou a portar da casa fechada e pulou pela janela onde encontrou os corpos amarrados; braços e pernas e cobertos por lençóis.

(local dos crimes)
Segundo informações de populares, ao ver os corpos de sua mãe e irmão, o rapaz ligou para uma irmã e um cunhado que foram até o local onde quebram a porta para confirmar o fato. A Polícia Militar foi acionada e constou a veracidade dos fatos, isolando a área até a chegada do delegado plantonista e peritos que realizara os primeiros trabalhos - colhendo provas.

Na oportunidade, os corpos não apresentavam perfuração à bala, nem de arma branca, possivelmente sendo as vítimas mortas por meio de asfixia.

Na residência não havia sinais que tivesse sido revirada, ou algum objeto subtraído naquele momento. Logo após os primeiros levantamentos, a polícia foi informada do desaparecimento de uma motocicleta Honda, Titan/150, de cor preta, placa: QFG-1689 e, um aparelho celular, pertencente a Rafael.

As polícias civil e militar e, o Núcleo de Inteligência do 6º BPM estiveram em diligências até o momento. Diversos suspeitos foram ouvidos, mas sobre a autoria do crime que chocou o Sertão, as autoridades ainda não deram respostas, nesses (cento e vinte) dias de angústia vivenciados pelos amigos e familiares das vítimas.


Da redação