.

.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Morreu na capital cearense o engenheiro agrônomo Adalberto Nogueira

Nascido em 1953, no distrito de Lima Campos, no Município de Icó/CE, deu os primeiros passos estudantis naquela cidade e, posteriormente mudou-se para Jaguaribe, onde fez o ensino secundário, em seguida por necessidade de ampliar os seus conhecimentos Adalberto Nogueira Pessoa mudou para Fortaleza, para dar continuidade aos estudos e trabalhar.

Pela efervescência politica, cultural e intelectual existente na capital pernambucana daquela época, Adalberto mudou-se mais uma vez, desta feita, para a cidade do Recife, onde deu inicio ao curso de Matemática, posteriormente, pela oferta de cursos e tendência Nogueira ingressou na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e cursou Agronomia. Ainda pelas grandes ofertas da época, além da SUDENE, outros órgãos governamentais ofereciam grandes salários aos formandos das universidades federais.

Indicado para iniciar os trabalhos de criação dos núcleos da SUDENE no sertão paraibano, Adalberto fixou residência na cidade de Conceição, na região do Vale do Piancó. Pela aproximação de sua terra natal – solicitou transferência para Cajazeiras, onde fazia questão até os seus últimos de dizer que um apaixonado pela cidade. Conhecedor dos mais diversos assuntos, Adalberto se destacava quando falava sobre clima, período chuvoso, cultura e política.
  
Em entrevista concedida a imprensa cajazeirense em meados de 2013, Adalberto lembrou que houve um arrocho na economia brasileira a partir do inicio dos anos 80, oportunidade, que o fez ingressar na atividade empresarial e não depender apenas do salário estatal. Após realizar exames, foram constatados problemas hepáticos, Adalberto deu inicio aos tratamentos, decorridos alguns anos, as internações foram constantes. Agravado seu quadro clínico, o paciente não resistiu e veio a falecer na noite da última quinta-feira (21/01/2016) no Hospital Universitário Walter Cantidío em Fortaleza/CE, Adalberto morreu aos 63 anos.

Na política, Adalberto enveredou-se nos movimentos estudantis ainda no Recife e, foi secretário por três oportunidades em Cajazeiras; uma na gestão do médico Antônio Vituriano de Abreu e, na gestão de Zerinho, e outra na gestão de Leonid Abreu, ocupando a pasta de Planejamento. O velório do engenheiro agrônomo deverá acontecer no recinto da Câmara Municipal de Cajazeiras, o sepultamento será a partir das 9hs00 no Cemitério Municipal Coração de Maria em Cajazeiras, cidade que escolheu para viver seus últimos anos.


Da redação