.

.

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Banco de Leite da Maternidade de Patos precisa de doadoras para elevar o seu estoque

O Banco de Leite Humano (BLH) Dr. Vilani Kehrle, da Maternidade de Patos, está precisando aumentar seu estoque. A unidade que auxilia os bebês internos na UTI, UCIN, no setor de Mãe-Canguru e no Pavilhão, oferecendo-lhes a primeira e a principal fonte de nutrição, até que eles se tornem aptos a sugar o seio da mãe, contabilizava em seu estoque, no último dia 24, apenas 33,2 litros de leite. Deste total, 5,047 litros foram consumidos pelos bebês internos apenas nos últimos dias 24,25 e 26.

Segundo a coordenadora do Banco de Leite, Joana Sabino, hoje o estoque do Banco tem capacidade para suprir a demanda da Maternidade, mas é importante ampliar o número de doadoras para garantir, com tranquilidade, a alimentação dos bebês internos. “É muito importante o nível do estoque, para que possamos atender a demanda da maternidade de forma mais tranquila, inclusive, os casos especiais de RNs como o de dois bebês que estão internos na UTI há 14 dias e de um RN que está na mãe-canguru há 15 dias”, observa Joana.

Atualmente, o banco conta com 25 mães que são doadoras domiciliares. A dona de casa Kaliane da Silva Ferreira, moradora do bairro do Monte Castelo, em Patos, é uma das atuais doadoras domiciliares do banco. Três vezes por semana, ela recebe a visita da equipe do banco em sua casa para fazer o recolhimento do leite ordenhado e repor os vidros esterilizados e materiais necessários para as novas coletas. “No começo, logo após o nascimento de Ana Sofia, há um mês, eu jogava fora o excedente do leite, não sabia o que fazer. Agora, toda a sobra eu coloco nos recipientes e fico muito feliz de além de poder amamentar a minha filha ainda ajudar as mães que não tem leite a alimentar os seus bebês. Doar é um ato de amor”, afirma ela, que já chegou a doar sete vidros em uma única semana.

A coordenadora do Banco de Leite apela para que as mães que tenham leite excedente façam o mesmo que Kaliane e doem o alimento para o banco.  “Sempre precisamos de mais doadoras e, consequentemente, de mais leite, uma vez que existe uma rotatividade grande de credenciamento”, destacou Joana Sabino. Ela lembra ainda que o leite coletado só é fornecido para alimentação dos bebês, após passar pelo processo de controle de qualidade, feito no próprio laboratório do BLH por um bioquímico. O material coletado tem validade de seis meses.

Para ser doadora do Banco de Leite é só entrar em contato através dos telefones 3423-2157 e 3421-5252, que uma equipe especializada faz atendimento domiciliar, orienta a mãe com os procedimentos básicos de higiene de manuseio do leite e da ordenha mamaria, como também leva um kit esterilizado que o Banco de Leite fornece contendo (gorro, luvas, máscara, vidro esterilizado e etiqueta identificadora) para que o leite seja retirado com qualidade.

 Em 2013, o Banco de Leite Dra. Vilani Kehrle foi credenciado pelo Programa Ibero-Americano de Bancos de Leite Humano com padrão ‘Ouro’. Isso significa que a instituição atingiu o padrão de excelência na avaliação da estrutura física, equipamentos, funcionários e nos serviços prestados à população, com pontuação de nível de qualidade entre 90 e 100 pontos. Além de oferecer alimento apropriado para diversos bebês, até os seis primeiros meses de vida, e orientar as mães sobre a importância da amamentação exclusiva desde o nascimento de seu filho, a equipe do banco de leite da Maternidade de Patos também orienta as parturientes nas unidades de saúde do município e ainda quando a equipe é solicitada participa de eventos diversos.

O Leite Materno
É um alimento completo, fornecendo nutrientes em quantidade adequada (carboidratos, proteínas e gorduras), componentes para hidratação (água) e fatores de desenvolvimento e proteção como anticorpos, leucócitos (glóbulos brancos), macrófago, laxantes, lípase, lisozimas, fibronectinas, ácidos graxos, gama-interferon, neutrófilos, fator bífido e outros contra infecções comuns da infância, isento de contaminação e perfeitamente adaptado ao metabolismo da criança. Já foi demonstrado que a complementação do leite materno com água ou chás é desnecessária, inclusive em dias secos e quentes. Recém-nascidos normais nascem suficientemente hidratados para não necessitar de líquidos, além do leite materno.



Assessoria