.

.

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Possibilidade de nova "delação premiada" agita bastidores dos envolvidos na Operação Andaime

As prisões da segunda etapa da ‘Operação Andaime’, deflagrada em Cajazeiras no último dia (16) de dezembro, poderá desencadear fatos importantes para as investigações da Polícia Federal, que tem se aprofundado diante as informações obtidas através das delações premiadas que já chegam ao número de seis, sendo duas do construtor Justino Nascimento.

Desta vez quem poderá aderir ao instrumento da colaboração premiada é o também construtor Hélio Farias, “Hélio das Baterias”, que está recolhido juntamente com o empresário Mário Messias, “Marinho” ao Presídio Regional de Cajazeiras.

Hélio era um dos homens de frente do esquema que desviou até agora cerca de R$ 18 milhões de obras de vários municípios da região de Cajazeiras, que é o centro da organização criminosa.

A possibilidade da delação tem sido ventilada e já causa preocupação entre os que estão envolvidos no esquema, mas que ainda não tiveram os nomes citados nas investigações. A ‘Operação Andaime’ tem o acompanhamento da Polícia Federal, MPF e MP-PB através do GAECO (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), que inclusive, poderá realizar operação em Cajazeiras no mês de Janeiro.


Da redação
Com blog do furão