.

.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

"Perseguição política” atribui sua exoneração do DETRAN, Moisés Barroso

Faltando pouco mais de dez meses para as eleições municipais, a campanha política está nas ruas, e alguns agentes políticos, sem perder tempo, já iniciaram conchaves, acordos e estratégias, para fortalecer seus grupos, e também para minar as forças adversárias.

E para garantir que suas artimanhas deem certo, faz-se de tudo um pouco, amizades são desfeitas, traições acontecem, abraçam-se adversários; mas somente uma coisa nunca muda, a fome pelo poder.

O Diário Oficial em sua edição desta quarta-feira (23) trouxe a exoneração de Moisés Barroso da Silva Sobrinho, do cargo de Chefe da Sessão de Infração da 6ª CIRETRAN de Cajazeiras. A mesma edição do D.O também trouxe a nomeação de Ranielly Ferreira dos Santos como seu substituto.

A reportagem entrou em contato com Moisés na manhã de hoje, para ouvi-lo sobre o assunto, uma vez que o mesmo votou e trabalhou na campanha do governador Ricardo Coutinho em Cajazeiras. Segundo ele, a exoneração já era aguardada, embora achasse que fosse ocorrer apenas no mês de janeiro, frisou.
Perguntado sobre o quê, ele atribuía à exoneração, Moisés disse não vê outra explicação a não ser “perseguição política”, e sem querer citar nomes, reforçou dizendo que a sua ligação com o deputado estadual José Aldemir Meireles (PEN) deve ter motivado a insatisfação de algumas pessoas que buscaram a sua saída do cargo, ressaltou.

Moisés Barroso chegou, inclusive, a divergir da posição de José Aldemir em quem votou para deputado de trabalhar contra o governador, mesmo assim, acabou sendo excluído.


                                     
Da redação
Com blogdofurao.com