.

.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Polícia interrompe velório remove corpo para o IML e filha de defunta é conduzida à delegacia no Piauí

Na manhã da última segunda-feira (28/12), os policiais civis Walter Brune e Diego Leite, interromperam o velório da senhora Francisca da Silva Carvalho, conhecida popularmente como "Chica Benta", de 69 anos, falecida no final da tarde de domingo (27/12). O corpo da idosa estava sendo velado por familiares e amigos em sua residência, situada na Rua Luís Correia, Bairro, São Francisco em Cocal/PI, quando foi removido do caixão e encaminhado ao Posto Avançado do Instituto Médico Legal (IML) de Parnaíba/PI.

De inicio a principal suspeita é que a idosa teria morrido de causas naturais. Porém, a decisão de interromper o velório e solicitar o exame de necropsia ao IML foi tomada depois que a polícia recebeu inúmeras denúncias vindas dos próprios familiares e de alguns vizinhos que relataram que a senhora sofria constantemente de maus-tratos e teria sido espancada por uma de suas filhas antes de morrer.

A mulher apontada pelos familiares e vizinhos de ser a responsável pela morte da própria mãe trata-se de Maria de Fátima Carvalho Miranda (foto), de 43 anos. Ela foi conduzida a Delegacia de Policia Civil de Cocal para prestar esclarecimentos e foi liberada após prestar o depoimento, pois no momento não há provas contundentes que a incrimine.

"O médico legista que está de plantão hoje no IML de Parnaíba realizou o exame cadavérico apenas no corpo - do pescoço pra baixo, e não identificou a causa da morte da idosa. Ele alegou não ter meios técnicos para a realização de uma análise mais detalhada que requer periciar a cabeça, e decidiu encaminhar o corpo da senhora Chica Benta para o IML de Teresina, para que possa ser feito os exames necessários”, disse o ‘APC’ Walter Brune, que está acompanhando o caso.

Um inquérito policial já foi instaurado para apurar as acusações de agressão, maus-tratos e também para descobrir as causas e as circunstâncias da morte da idosa. Nos próximos dias, os familiares e vizinhos que acusam Maria de Fátima, serão ouvidas para apuração dos fatos. Além disso, a Polícia Civil aguarda o laudo cadavérico e demais exames realizados, que confirmará se a senhora morreu em decorrência de morte natural ou morte violenta.


Fonte: blog do coveiro