...

...

quarta-feira, 29 de março de 2017

O vício empregatício da Prefeitura de Cajazeiras continua

Como já é de costume, a diretoria do Sindicato dos Funcionários Municipais de Cajazeiras pesquisa ao longo do tempo o Sagres online do TCE/PB, e o que faz com parte do dinheiro público as autoridades da casa verde. Pois bem, no primeiro mês do ano andante, época de uma suposta dificuldade financeira, o executivo municipal repete em parte vícios de outrora, no que tange a folha de pagamento dos cargos comissionados.

Vejam os senhores servidores efetivos do município, o que já aconteceu e podendo continuar, doravante, com a folha dos cargos comissionados.

-Janeiro de 2016: R$ 448.258,26                                         
Com 239 comissionados - contratados

-Janeiro de 2017: R$ 431.409,41
Com 234 comissionados                                                                                                  
Observe servidor municipal e compare o valor da folha de pagamento dos 1.444 servidores efetivos em janeiro de 2017, que somou R$ 3.305.298,46. E no mesmo período, gastou mais de 13% da folha com os comissionados.  

Diante desse vício, o sindicato escuta nas emissoras de rádio da nossa cidade, várias pessoas clamando por uma providência, no sentido de que a prefeitura está deixando faltar material elementar para o funcionamento dos postos de saúde, a exemplo de:  agulhas, gazes, algodão, seringas, luvas, etc.

Além disso, os servidores efetivos da saúde e o SINFUMC tentam desde janeiro de 2017, fazer com que a administração “Do jeito Certo”, cumpra com a legislação municipal em vigência, que ordena uma data base para aumentar os salários da respectiva categoria, mas a gestão pública resiste ao cumprimento, alegando faltar recursos!

Portanto, servidor efetivo e sócio do sindicato, os números demonstrados e as atitudes viciadas da administração pública local, começaram a se repetir. Assim, cabe lembrar uma melodia e/ou poema dos Nonatos, “nada dá certo começando errado”.


Cajazeiras/PB, 28 de Março de 2017.

A DIRETORIA DO SINFUMC