.

.

quarta-feira, 8 de março de 2017

As "viúvas" deixadas pelos governos de Carlos Antônio e Denise

Nunca como agora deram tantos sinais de alteração e descontrole emocional as viúvas/aspones que ‘mamavam no peito’ da Prefeitura de Cajazeiras nos períodos carlistas: 2001 a 2008 / 2012 a 2016.
As viúvas/aspones desse período, como em todos os demais, são pessoas geralmente despreparadas intelectual e tecnicamente para o desempenho de funções públicas, mas que, pelo exercício constante do puxa-saquismo, no qual são pós-doutores, acabam integrando grupelhos político/partidários cujos caciques se vêem impelidos a lhes dar ‘sombra’ na “muda”, quer dizer, na Prefeitura.
Mal acostumados com praticamente 12 anos de ‘mamação’ no erário público sem fazer praticamente nada, essas viúvas/aspones não param de chorar a derrota para Zé Aldemir (PP) e, inconformadas (os) com o fim da vida boa que desfrutaram durante bons anos à custa do dinheiro público, continuam a fazer asneiras.
No período em que andavam pelas ruas mais parecendo vistosos pavões, de carros novos e roupas de grife, essas (es) viúvas/aspones só conseguiram fazer empurrar para a lama fétida da incompetência as administrações que pensavam servir! E os prefeitos que lhes deram guarida no guarda chuva municipal nada podiam fazer, vez que aquelas nomeações eram fruto da relação incestuosa que existia entre os governantes e seus financiadores.
Assim, o jeito era suportar os gols contra que essa turma da ‘mamação’ fez aos montes no período em que se refestelara na teta gorda da ‘muda’! Só Carlos Antônio e Denise podem mensurar o mal que esses ‘assessores’ fizeram aos seus governos durante anos. Certamente que esses mal feitos em muito contribuíram para a derrota recente do carlismo frente a Zé Aldemir que, vacinado e conhecedor da trupe, não lhe dá a menor atenção. No que faz muito bem!
Pois as viúvas/aspones do carlismo continuam a fazer inhaca. Com fofocas e disse-me-disse, espalham a discórdia e semeiam a intriga entre membros do próprio grupo que, já enfraquecido pelo resultado eleitoral, tende a diminuir na proporção inversa do fortalecimento da situação.

Em outras palavras, enquanto essas viúvas/aspones do carlismo estiverem sem freio atuando e produzindo a inhaca que lhes é peculiar, a tendência é a oposição diminuir e a situação se fortalecer.
Por Fernando Caldeira