.

.

domingo, 15 de maio de 2016

Jeová Campos diz que não vota em Júnior Araújo para vice e, que nome tem que ser indicação do governador

A dinâmica da política realmente surpreende muita gente e, nessa metamorfose de acordos que produz novos cenários a todo o momento, enganam-se, que acham que o amigo de hoje, é o amigo de sempre. Cajazeiras é uma prova viva dessa “dinâmica” tão propagada pelos políticos que, já desuniu e uniu antigos aliados e adversários.

A nova mudança no cenário político da cidade é o rompimento entre o deputado estadual Jeová Vieira Campos (PSB) e, o vice-prefeito Júnior Araújo (PTB) que, surge como uma bomba, uma vez, que os dois sempre se mostraram afinados politicamente, mesmo com os caminhos contrários traçados nas últimas eleições estaduais.

O fato, é que na noite do último sábado (14), a escolha do nome do vice na chapa da prefeita Denise Albuquerque provocou desentendimento entre o vice-prefeito e o deputado que, revelou a alguns amigos e membros da imprensa, sem pedir segredo, que não defende mais o nome do petebista - indo além... “O vice terá que ser uma indicação do governador Ricardo Coutinho”. Jeová ainda teria desabafado: “Defendi o nome dele até ontem”.

As críticas de Júnior Araújo ao governo do Estado, principalmente, ao funcionamento da hemodiálise do HRC (Hospital Regional de Cajazeiras) chegando ao ponto de defender a oposição, como no caso do advogado Adjamilton Pereira, que publicou matéria denunciando a dificuldade de um paciente em ser atendido na hemodiálise de Cajazeiras, pode ter sido o pivô do quiproquó.
                                                                 
Como Junior Araújo é o nome defendido pela prefeita Denise, e também pelo ex-prefeito Carlos Antônio (DEM), este último, a quem alguns condicionam apoio de Júnior a Cássio Cunha Lima (PSDB), a aresta causa um grande mal-estar dentro do grupo de situação que, vê um possível rompimento se aproximando.


Blogdofurao.com