.

.

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Rede trabalha na criação de coletivos municipais

A Rede Sustentabilidade passa agora a intensificar o trabalho de garantir a formação dos seus coletivos municipais em todo o país. Com a iniciativa, o partido quer viabilizar uma participação mais próxima da vida partidária nas cidades por meio desses grupos, ao promover debates relacionados com os princípios e valores da legenda. Entre eles, estão temas como o incentivo à participação cidadã dos militantes e o conceito de política em rede.

Os assuntos referentes à sustentabilidade também estarão nas pautas de discussões desses grupos. A constituição dos coletivos municipais será o primeiro passo para a criação dos Elos Municipais, que acontece a partir de abril do próximo ano. A medida está prevista dentro da estruturação das instâncias partidárias da Rede, que tomarão força ainda maior após a sua legalização junto ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

A formação desses núcleos foi um dos assuntos em discussão na reunião dos membros do Elo Nacional da Rede, realizada no último fim de semana – dias 28 e 29 de março -, na sede nacional do partido em Brasília (DF). No encontro, os participantes aprovaram a Proposta de Organização dos Coletivos e Elos Municipais. O documento regulamenta os requisitos e como vai funciona todo esse processo de criação.

Um dos coordenadores executivos da Rede, Carlos Henrique Painel, explica que esses coletivos municipais somente serão formados com a participação de, no mínimo, nove filiados de uma mesma cidade. “Primeiro, todos eles terão que assinar um pedido de criação (do coletivo) a ser entregue diretamente para o Elo Estadual responsável pelo determinado município”, explica.

Painel destaca ainda que depois desse processo representantes do Elo Estadual convocam a primeira reunião com esses filiados como forma de dar as orientações e o apoio necessário para a formação desse grupo. Na ocasião, esses membros apresentam os detalhes do estatuto do partido e os conceitos da Rede. Depois disso, o coletivo criado terá que seguir alguns requisitos dentro desse processo.

Entre eles, está a realização de reuniões preferencialmente a cada 15 dias e ordinariamente a cada 30 dias, com registro em ata que deverá ser enviada para a respectiva Executiva Estadual. O coletivo municipal também deverá desenvolver novas formas de atuação na luta parlamentar para resgatar a participação no parlamento e no Executivo como um serviço público à sociedade e, desta forma, buscar o bem comum.

A Proposta de Organização aprovada no encontro do Elo Nacional prevê ainda que os coletivos municipais autorizados pelas executivas estaduais poderão se transformar em Elo Municipal com a realização de suas respectivas convenções. Porém, Painel destaca que isso só deverá acontecer depois de setembro, quando está prevista convenção nacional da Rede.



Assessoria