.

.

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Familiares e amigos de Roberto Pereira saem às ruas de Cajazeiras e adentram ao Fórum Ferreira Jr. Pedindo por Justiça

Após participação em uma emissora de rádio da cidade, na manhã desta quinta-feira (09), Ricardo Pereira dos Santos – irmão de Roberto Pereira dos Santos, de 32 anos, que foi barbaramente esfaqueado e queimado vivo, no último sábado (04), em Cajazeiras, chamou a população para realizar uma caminhada pelas ruas do centro até o Fórum Ferreira Jr, para tentar sensibilizar às autoridades – afim de agilizar o pedido de prisão preventiva em desfavor do acusado, Henrique de Macena Marques.
Usando um carro de som, Ricardo arrastou uma multidão de pessoas, que se dirigiram ao Fórum – e, de fronte ao referido órgão, populares gritavam por justiça. Instantes depois, dezenas de pessoas foram ao pátio clamando por celeridade às autoridades, oportunidade em que juízes que estão à frente do caso, convidaram Ricardo Pereira e membros da imprensa para um diálogo no gabinete.

Diante os acontecimentos, as autoridades informaram que o pedido de prisão temporária já havia sido lavrado desde às 12hs00 de ontem quarta-feira (08), porém, o mesmo não havia sido divulgado para não atrapalhar na condução das diligências e prisão do acusado.

Para prestar desserviço à sociedade, um repórter policial da cidade, deu como “furo” de reportagem uma informação mentirosa, ludibriosa e tendenciosa – quando em participação a um programa de rádio trouxe; “com exclusividade, para o público ouvinte da [emissora], Henrique está em uma sala do Fórum Ferreira Jr. aguardando sair o mandado de prisão para se entregar”, e logo após, o mesmo repórter informou que o acusado na companhia de sua advogada foi embora – devido, segundo o profissional de imprensa não haver pedido de prisão algum em seu desfavor.
Na manhã desta quinta, quando o irmão da vítima, conversava com a juíza Dra. Adriana, o mesmo indagou aquela autoridade sobre as informações propagadas pela emissora e ditas pelo repórter, que Henrique estava aguardando uma posição da Justiça, para se entregar – a magistrada afirmou que o pedido de prisão temporária estava no bolso do delegado responsável pelo caso e que o acusado não estava no Fórum, portanto, a informação repassada à sociedade e ouvintes fora mentirosa. Henrique de Macena Marques – já é considerado foragido da Justiça.



Da redação