.

.

segunda-feira, 9 de março de 2015

Seminário Educação Emocional e Social para a Família e Comunidade é realizado em Sousa

O último dos quatro seminários "Educação Emocional e Social para a Família e Comunidade" aconteceu na manhã da última sexta-feira (06) de março, na cidade de Sousa-PB. Durante a semana o evento ocorreu em quatro cidades, João Pessoa, Campina Grande, Patos e e em Sousa, tendo, em todos, gestores escolares como público participante.

Essa foi a primeira etapa de um trabalho de sensibilização que vai envolver a escola para trabalhar a educação emocional e social de aproximadamente 180 mil famílias de alunos do ensino fundamental I e II da rede pública de ensino do Estado da Paraíba.

A ação que envolverá toda a comunidade escolar teve início em 2014 com a parceria do Governo do
Estado com a Organização Inteligência Relacional, que implantou a metodologia Liga Pela Paz, trabalhando a educação emocional, inicialmente, com alunos do 1º ao 5° ano. Durante essa semana de seminários, a Secretaria Estadual de Educação assumiu o posicionamento de continuar com o trabalho e estendê-lo até o sétimo ano do ensino fundamental.

A Liga Pela Paz, que está presente em 19 estados brasileiros, consegue dar novo rumo à educação ao trabalhar temas ligados à emoção, a exemplo da raiva, medo, ciúme, empatia, autoestima, assertividade, carinho, respeito, dentre tantos outros, que permitem aos educandos desenvolver seu autoconhecimento, refletindo em melhoria de aprendizagem e convivência.
O gerente regional de educação de Patos, Luiz Carlos Gabi, durante o seminário naquela cidade, momento que reuniu gestores da 6ª, 7ª e 11ª GREs, destacou que, ao trabalhar a inteligência emocional, os alunos conseguem manter, ao longo de toda sua vida, uma base para se relacionar de forma mais harmoniosa com o mundo à sua volta.

Sobre essa nova etapa da Liga Pela Paz na Paraíba, que está ampliando as séries atendidas e agora também com a família, comentou que é crucial a participação desta no processo, no acompanhamento mais estreito, mais próximo da educação de seus filhos. "Os pais precisam ser uma referência positiva para os filhos, se educar emocionalmente para lidar melhor com suas emoções e das crianças. Por isso considero de extrema importância a família vir para dentro da escola, ser nossa parceira", disse Gabi.

A coordenadora do PSI - Primeiros Saberes da Infância, Kecia Letícia, da 11ª GRE, em Princesa Isabel, falou dos avanços que a Liga Pela Paz proporcionou na forma como as crianças passaram a compreender suas emoções, conflitos familiares, demonstrando isso nas atividades em sala de aula, na mudança positiva de comportamento. "A Liga possibilitou conhecermos melhor a história da criança, dialogar com a família e diminuir problemas que afligiam bastante nossos alunos. Através do painel das emoções, a gente chegava até a família para saber o que estava acontecendo. Agora temos como trabalhar mais ainda na solidificação desse elo", opinou Kecia.

A coordenadora geral do PPSI da 10ª GRE (Sousa), Noélia Lourenço Martins, diz que trata-se de uma ideia fantástica trabalhar a família na escola. "Acredito que isso fará grande diferença e testemunharemos ainda mais a redução da violência na comunidade escolar", enfatizou.

A droga é assunto corrente quando se faz referência à violência. Cabo Erivan Lins, educador do Proerd - Programa Educacional de Resistência às Drogas, que participou do seminário de educação emocional e social em Sousa, destacou a parceria escola-família, dizendo que esta é a base de tudo, de formação da ética, de valores e bos bons princípios da criança, e a escola, com a Liga Pela Paz sendo estendida a essa família dará grande contribuição na prevenção a atos violentos.

O conferencista João Roberto de Araújo fez uma avaliação bastante positiva dos seminários que enfocaram a inteligência emocional esta semana na Paraíba. Diz ter percebido nos gestores escolas, aceitação e compreensão muito profundas acerca do significado e da importância do trabalho com as famílias.

Comentou que há uma reclamação, uma demanda permanente dos educadores, dos gestores de todas as escolas no sentido de maior presença dos pais no processo educativo. "Essa decisão do Governo da Paraíba, da Secretaria de Educação, de assumir esse protagonismo, de convidar as famílias para refletir sobre as emoções, orientar sobre o impacto do comportamento dos pais no bem estar dos filhos, no desempenho deles na escola foi muito bem aceita pela comunidade escolar”, acrescentou, enfatizando estar com uma expectativa muito forte, positiva em relação a essa intervenção.

Aparecida Uchoa, da Secretaria de Estado da Educação, que esteve presente nos quatro seminários, disse que mais de 90% dos diretores das escolas estaduais compareceram aos encontros.  "Percebemos que já havia uma espera agradável desses gestores de poder chamar a família para dentro da escola e dialogar sobre tantos temas importantes que podem trazer mais harmonia e desenvolvimento para vivenciar as emoções", comentou.



Marcos Eugenio – Ascom