.

.

quarta-feira, 25 de março de 2015

DEM e PMDB vão à Justiça contra novo partido de Kassab

Gilberto Kassab encontra resistência para criação de novo partido(Futura Press/VEJA)
O DEM e o PMDB vão contestar na Justiça Eleitoral a criação do Partido Liberal, nova sigla que servirá como apêndice do PSD, do ministro Gilberto Kassab. A nova sigla já pediu o registro ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e aguarda o aval da corte até outubro para poder disputar as eleições municipais de 2016.

O argumento jurídico é que o PL não cumpriu as exigências da lei, como a coleta de 500.000 assinaturas, reconhecidas em cartório, em pelo menos nove unidades da federação. "Queremos marcar posição. Nem sempre o Ministério Público e a Justiça atentam em sua inteireza para os processo de criação de partidos", diz o líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho (PE).

Com a nova regra aprovada há poucas semanas pelo Congresso justamente para evitar manobras, o PL só poderá se fundir a outro partido cinco anos após o registro. Ainda assim, o surgimento de uma sigla abre nova janela de migração partidária, o que pode prejudicar o DEM, já em decadência. O PMDB, por sua vez, teme a criação de um novo polo de força na base de apoio da presidente Dilma Rousseff. Hoje, o PSD já é dono da terceira maior bancada da Câmara.

Em entrevista concedida no mês passado ao site de VEJA, o presidente do PL, Cleovan Siqueira, afirmou que a fusão com o PSD era apenas o "Plano B". O Plano A seria atuar como "gêmeo" da sigla de Gilberto Kassab.

O apoio do PSD foi fundamental para que o PL recolhesse as mais de 500.000 assinaturas necessárias para solicitar o registro no TSE. Entre 2007 e 2014, a sigla de Cleovan havia obtido o apoio de apenas 80.000 pessoas. Bastou a estrutura do PSD entrar em campo para esse número saltar. 

Veja.com