.

.

domingo, 13 de novembro de 2016

Justiça do Trabalho penhora bens do Campestre Clube de Cajazeiras para pagar de dívida trabalhista

O Clube Campestre de Cajazeiras, o mais tradicional de Cajazeiras em atividade teve todos os seus bens penhorado por determinação da Justiça do Trabalho na última sexta-feira (11). Os oficiais de Justiça chegaram ao clube com a ordem judicial no período da manhã.
Foram penhorados todos seus bens como: filtro de piscina, mesa de sinuca, ar condicionados, mesas e cadeiras, equipamento de som, freezers, sombrinhas, dentre outros deixando o clube sem condições de funcionamento.
O motivo da decisão judicial foi dívida trabalhista contraída em gestões passadas, onde o débito inicial foi de R$ 2 mil reais, sendo atualizada para R$ 49.300,00. Dois antigos garçons foram os autores da ação.
Segundo o presidente do clube, Altemar de Sá Vieira o débito que foi parcelado na gestão de Eduardo Coelho e estava sendo pago em dia. Mesmo assim, o Juiz da Vara do Trabalho determinou a penhora dos bens. Extremamente arrasado com a decisão e mostrando revolta, o presidente do clube em entrevista a imprensa local afirmou que existe uma grande área de terrenos que poderia ser usado na quitação da dívida.
Altemar disse que a decisão foi para fechar mesmo o clube e que o Juiz autor da determinação de penhora é o mesmo que fechou o Campinense Clube em Campina Grande.
Uma reunião de emergência ocorrerá neste domingo (13), com os sócios para buscar uma solução para a difícil situação que o clube enfrenta.
Procurado pela imprensa, o Juiz deverá se pronunciar na próxima segunda-feira dia 14.
CZN