...

...

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Couto lamenta situação pós-golpe e diz que Temer quer também usurpar lugar de Pinóquio

O deputado federal Luiz Couto (PT-PB) relembrou em pronunciamento no plenário o dia 17 de abril de 2016, que entrou para a história do Brasil como uma data de vergonha. Há um ano um golpe parlamentar destituiu a presidenta eleita democraticamente nas urnas, Dilma Rousseff e levou à presidência o golpista e ilegítimo Michel Temer.

“Há um ano que o ex-presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, abriu o roteiro de um golpe parlamentar que arruinou a economia brasileira — que encolheu quase 10% desde então — e desmoralizou a imagem do Brasil no mundo. De País admirado pela melhoria dos indicadores sociais, o Brasil voltou a ser uma típica república bananeira, marcada por golpes rasteiros”, avaliou Luiz Couto.

Couto lembrou que a discussão inicial era que Dilma Rousseff havia cometido crime de responsabilidade. Levantaram-se hipóteses jurídicas mergulhadas em erros e difamações. Após, a aceitação de abertura de pedido de impeachment os golpistas trabalharam para retirar a presidenta Dilma do poder. Agora, o Brasil assiste e entende o porquê do golpe. 

"Vivenciamos um trator golpista retirando todos os direitos para que o Brasil venha a encalhar. Os golpistas querem um povo cativo assim como faraó fez com os hebreus, antes de Cristo", disse Couto, acrescentando que o golpe teve desmembramento jurídico, midiático e político.

O parlamentar ironizou o slogan do programa de governo de Temer e disse que "Uma Ponte Para o Futuro" poderia ser chamada de "Muro para o Retrocesso" ao propor limitar o Pronatec apenas para a camada mais pobre da população, reduzindo drasticamente seu escopo. O governo propõe também limitar os empréstimos estudantis do Fies sob a desculpa de tornar o programa social mais "meritocrático". Temer também quer acabar com regime de partilha para o Pré-Sal, entregando as empresas internacionais de Petróleo, com a venda, a preço de banana de ativos da Petrobrás, para depois privatiza-la. Outro alvo de desmonte é o SUS, já que o plano é criar um plano de saúde popular que substituiria o papel do Estado. Finalmente, Temer propõe reformas devastadores como a da previdência, trabalhista, do ensino médio e da terceirização com a precarização das atividades fins e meios. Estas propostas apontam para um futuro onde os direitos trabalhistas são severamente podados em nome da "modernização".

Na conclusão de seu pronunciamento, Luiz Couto brincou e disse que Temer estaria querendo, ainda, usurpar o lugar de Pinóquio ao dizer que não cometeu durante este período em que ele se encontra no governo nenhum erro e que não teve qualquer participação no impedimento da presidenta Dilma. 

"Como dizia o poeta e escritor Inácio nós podemos virar a página e escrever uma nova história, basta a população brasileira unir forças e ir as ruas até que o golpista Michel Temer e seus aliados renunciem a seus cargos políticos e o Brasil venha a ter eleições diretas com uma certa urgência. Ou isso acontece ou como disse o Jornalista Paulo Nogueira o decorativo, medíocre, sem carisma, antiquado, sem liderança — e traiçoeiro acabará de vez com a democracia e com nosso país levando-o para o abismo", completou.



Ascom do Dep. Luiz Couto