.

.

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Patos realiza treinamento para teste rápido e vigilância de Aids/DST

Aconteceu na última quinta-feira (30/04) no auditório do Sebrae Patos mais um encontro destinado a coordenadores da Atenção Básica e da Vigilância em Saúde, realizado pela SES – Secretaria de Estado da Saúde. O evento, do qual participaram municípios da 6ª e 7ª gerências de saúde, teve como objetivo agilizar o processo de implantação de teste rápido de HIV/DST nos municípios, maternidades, UPAs e hospitais que realizam partos.

A prioridade do governo em relação ao teste rápido, que busca reposta para HIV, sífilis, hepatite B e C são as mulheres gestantes, que precisam fazer durante a gravidez no mínimo duas vezes tal exame, que deve ocorrer também na hora do parto.

“As pessoas perderam um pouco do medo da Aids, diferente do que ocorreu nos anos 90. Hoje elas têm uma qualidade de vida muito boa e quanto mais cedo descobrirem que estão com o vírus, mais rápido o tratamento é iniciado e poderão conviver de forma mais tranquila se tiverem boa adesão ao tratamento”, explicou Mailza Gomes (foto), técnica do setor de DST/Aids.

Apenas no Clementino Fraga, em João Pessoa, cerca de 3 mil pacientes fazem tratamento à base de coquetel de medicamentos para poder conviver com a Aids. Nos últimos dois anos surgiram cerca de mil novos casos na Paraíba. Há centros de fornecimento da medicação também em Cabedelo, Campina Grande, Patos, Cajazeiras e Sousa. O CTA – Centro de Testagem e Aconselhamento de Patos, implantado pelo próprio município, foi elogiado por Mailza, apesar de no momento não possuir médico infectologista, mas que tem sido importante no atendimento da população da região.

É meta do Governo do Estado abrir novas centrais de dispensação de medicamentos em cidades como Pombal, Catolé do Rocha, para que facilitem a logística de distribuição dos antirretrovirais e facilitem o tratamento dos pacientes.

Os cuidados na atenção básica devem ser redobrados para descobrir a gestante com o vírus durante o pré-natal, fazer todo o acompanhamento e assim diminuir os riscos de infecções pelo vírus. A transmissão vertical do HIV, quando acontece intrauterina – período de gestação, durante o parto ou na amamentação requer ação rápida para que a mulher receba o antirretroviral. Por isso a importância dessas capacitações como esta oferecida pela Secretaria de Saúde para que as mulheres em pré-natal sejam sensibilizadas, bem orientadas a fazer o teste rápido. “Quando detectamos precocemente a gestante soropositiva e muitas vezes até no momento do parto, a gente consegue que a criança nasça sem o vírus”, comentou Mailza.
A prevenção vem ocorrendo, além do trabalho realizado pelo PSF, nas unidades de ensino, através do “Saúde na Escola”, quando o tema Aids/DST é trabalhado com os alunos. Professores de todo o Estado estão recebendo também capacitação, numa formação à distância, com técnicos do Cefor – Centro Formador de Recursos Humanos da Paraíba, para que possam discutir a temática com seus educandos.

A detecção de sífilis na mulher, a transmissão para o bebê também esteve na linha de atualização dos profissionais que participaram desse evento em Patos. Houve orientações sobre o uso da medicação, penicilina, na unidade de saúde, para evitar que essa mãe transmita a doença para seu filho. Segundo Mailza ainda existe uma dificuldade da aplicação dessa medicação nas unidades de saúde pelo obstáculo causado pelo COFEN – Conselho Federal de Enfermagem pelo fato de eventos bastante raros, o antibiótico Benzetacil causar choque anafilático.

Porém existe um grande esforço do Ministério da Saúde, CORENs e do próprio COFEN para que seja publicada uma nota técnica para que seja normatizada a aplicação da penicilina nas unidades de saúde.

Os números de Aids crescem a cada ano na Paraíba, segundo Mailza, com maiores concentrações na Capital e em seu entorno. A maior transmissão acontece no público jovem entre 20 a 39 anos, com predominância entre homens.




Assessoria