.

.

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Idosos comemoram recuperação da visão em procedimento cirúrgico realizado no Hospital Regional de Patos

O isolamento social, a necessidade de ajuda de outra pessoa para realizar tarefas simples, faz parte do cotidiano de quem sofre de catarata, doença que atinge praticamente metade da população mundial com mais de 65 anos. Considerada a maior causa de cegueira evitável, ela faz parte do rol das cirurgias eletivas, pactuadas de forma tripartite entre União, Estado e Município.

O Hospital Regional de Patos Dep. Janduhy Carneiro, referência em atendimento de média e alta complexidade para dezenas de municípios do interior da PB, RN e PE, realiza mais uma etapa dessa cirurgia, dessa feita 700 procedimentos.
O município de Quixaba, que possui alta demanda por essa cirurgia, participa pela segunda vez. Na primeira foram 14 e agora 11 idosos que experimentam nova etapa na vida, ao voltar a ver com clareza.

“Fazia um ano que eu não via praticamente mais nada. Agora enxergo tudo pelo olho direito e quero fazer também do olho esquerdo”, disse Maria Pereira Araújo, 78 anos, residente em Quixaba, feliz por poder ver as feições de sua filha que na ocasião lhe acompanhava.

Outro morador de Quixaba, município localizado a 13 quilômetros de Patos, Francisco Macedo Filho, 60 anos, que teve que pagar antes uma consulta de R$ 800,00 pelos problemas de visão que quase o impediam de estudar (EJA – Educação de Jovens e Adultos), também comemora o benefício advindo da cirurgia. “Foi uma cirurgia rápida, não trouxe qualquer problema e agora voltei a ver. Agradeço a Deus e aos profissionais que me atenderam”, enfatizou.


O secretário de saúde de Quixaba, José Francisco Segundo, diz que a demanda ainda é muito grande em Quixaba pela cirurgia de catarata, mas também lamenta que haja idosos que precisam dela, mas não têm interesse, apesar do trabalho de conscientização que é realizado pela saúde local.  “Agora vamos esperar por mais uma etapa para que novas pessoas voltem a enxergar”, acrescenta Segundo, acompanhando os idosos após o retorno médico.

Ascom/HRP