.

.

sábado, 27 de agosto de 2016

Jeová Campos renuncia à presidência da Frente Parlamentar das Águas/ALPB

ALPB mas diz que não vai abandonar a causa, nem a luta

“É muito duro anunciar que estou, a partir de agora, renunciando, em caráter irrevogável, a presidência da Frente Parlamentar das Águas da ALPB, mas o faço com a consciência tranquila em função de um trabalho bem feito e feito com muito amor à causa, com responsabilidade, conhecimento de causa de quem já sentiu na pele as consequências da seca, compromisso e, sobretudo, um desejo imenso de que nossa luta se transformasse em ações concretas que minimizassem o sofrimento do povo da Paraíba e que isso se transformasse em ações efetivas de combate à seca. Estou entregando a presidência da Frente, mas isso não significa o abandono da luta que é minha desde que nasci”. Foi desta forma que o deputado estadual Jeová Campos (PSB), comunicou hoje, sábado (27), seu desligamento da presidência da Frente Parlamentar das Águas da ALPB.

O comunicado foi feito pelo parlamentar na Câmara de Vereadores de Cajazeiras, onde estava acontecendo uma Audiência Pública, denominada ‘Grito das Águas’, e pegou todos de surpresa, inclusive os deputados Renato Gadelha e Jandhuy Carneiro que estavam participando do evento. Tanto a plateia, quanto os parlamentares, as autoridades e ainda o público que estava presente fizeram um apelo para que o parlamentar revisse sua decisão, mas, Jeová disse que era irrevogável. Emotivo, Jeová não suportou ver a pífia participação de políticos da Paraíba, principalmente, da Câmara Federal, no evento deste sábado, além de pouca representatividade da sociedade civil organizada. “Convidamos todos, a Imprensa pautou o evento, fiz pronunciamentos na tribuna da ALPB, mas os parlamentares da bancada federal paraibana devem considerar essa causa de pouca importância, já que nunca apoiaram, nem se engajaram nas lutas da Frente e diante deste descaso, não me resta outra alternativa que não renunciar à presidência da Frente”, argumentou Jeová, visivelmente desapontado, inclusive com a presidência da ALPB que pouco apoiou as ações desenvolvidas pela Frente.

“A participação dos representantes da bancada federal era de suma importância para dar maior impulso aos encaminhamentos do evento. Neste caso, da audiência de hoje, só estão livres de minhas críticas, os senadores paraibanos que em função do processo ‘golpista’ que se desenrola no Senado, não poderiam se fazer presentes, mas e os deputados federais, e os estaduais?”, questiona Jeová. Ele lembra que durante os quase dois anos de ações da Frente, os parlamentares que integram o grupo não oneraram em nenhum centavo a ALPB, já que todas as despesas de viagens, inclusive, para Brasília não tiveram pagamentos extras. “Foi um trabalho de doação, onde cada um viajava em seu próprio carro, pagava as suas refeições, não recebia diárias, inclusive, na ida à Brasília”, fez questão de esclarecer o parlamentar.

O objetivo do Grito das Águas era definir ações que cobrem do governo federal celeridade na conclusão das obras da transposição, especialmente, no tocante ao abandono da obra pela Mendes Júnior e a substituição da empresa por outra construtora. “Vou deixar para o próximo presidente definir as ações da Frente, sempre me dispondo a ajudar, mas, agora, como soldado, porque jamais abandonarei a luta do povo nordestino, especialmente, os sertanejos que sofrem não apenas com a seca, mas com o descaso de seus representantes nas câmaras, assembleias e no Congresso, com raras e gratas exceções”, finalizou o deputado. Renato Gadelha e Jandhuy Carneiro disseram, na ocasião, que não aceitam assumir a presidência da Frente.


Assessoria