.

.

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Secretaria de Saúde realiza teste da orelhinha e fonoterapia com bebês no Centro Auditivo em Cajazeiras

Todo bebê está submetido a apresentar possíveis problemas auditivos ao nascer ou adquiri-los nos primeiros anos de vida. Com a finalidade de prevenir a deficiência auditiva ou até mesmo de amenizar, no caso dos bebês que apresentam surdez congênita, a Prefeitura de Cajazeiras – por meio da Secretaria de Saúde, realizou nesta segunda-feira (20), no Centro de Reabilitação Auditiva, atendimentos em bebês, com o teste da orelhinha e fonoterapia.

O referido teste serviu para além de triagem auditiva neonatal que tem como finalidade avaliar a audição em recém-nascidos, tanto para a eficácia no sentido de prevenção e cuidados auditivos, sendo indicado por instituições do mundo inteiro, visando o diagnóstico precoce de perda auditiva, uma vez que sua incidência, na população geral, é de 1 a 2 por 1000 nascidos vivos.

Quando deve ser feito? Orienta-se realizar o teste da orelhinha, nos primeiros anos de vida do bebê (3 meses), detectando perdas precoces que possam influenciar no aprendizado da linguagem. Geralmente o exame é realizado no berçário em sono natural, de preferência no 2º ou 3º dia de vida. O tempo de duração varia entre 5 e 10 minutos, não tem qualquer contraindicação, não acorda nem incomoda o bebê. Não exige nenhum tipo de intervenção invasiva (uso de agulhas ou qualquer objeto perfurante) e é absolutamente inócuo. A triagem auditiva é feita inicialmente através do exame de Emissões acústicas evocadas, como demostra na foto acima.

Como marcar o teste? Procure o Centro de Reabilitação Auditiva – Dr. Sabino Rolim no CAIC em Cajazeiras, que está localizado à Avenida Joca Claudino – Conj. Tancredo Neves – Zona Norte. Lá os pacientes encontrarão médicos especializados em otorrinolaringologia e procure também o fonoaudiólogo, esses profissionais irão encaminhar e realizar o teste da orelhinha, respectivamente.

Qual o método utilizado? O método mais utilizado para a triagem auditiva neonatal é o exame de Emissões Otoacústicas Evocadas (EOAs). Considerado bastante objetivo, este exame é indolor e de execução rápida, realizada durante o sono natural do bebê. Utiliza-se um fone na parte externa da orelha do bebê. Demora de 5 a 10 minutos e não tem qualquer contraindicação, não acorda nem incomoda o bebê. O exame de EOAs baseia-se na produção de certo estímulo sonoro, bem como na percepção do retorno desse estímulo (eco), o registro é feito através do computador, verificando se a cóclea (parte interna da orelha) está normal, ou seja, em funcionamento, é emitido um gráfico com o diagnóstico do exame.

Como é dado o resultado? Após o final do exame, além do resultado, é passado para o responsável e para o médico que solicitou o exame, um protocolo de avaliação. No caso de suspeita de alguma anormalidade após a realização da triagem auditiva neonatal, o bebê será encaminhado para uma avaliação otológica e audiológica completa. Com o objetivo de ajudar a prevenir a deficiência auditiva, seguem abaixo alguns fatores que levam à surdez:

Fatores de risco para a surdez:

Bebê de 0 a 28 dias

- História familiar: ter outros casos de surdez na família;
- Infecção intrauterina: provocada por citomegalovírus, rubéola, sífilis, herpes genital ou toxoplasmose;
- Baixo peso;
- Hiperbilirubinemia: doença que ocorre 24 horas depois do parto. O bebê fica todo amarelo por causa do aumento de uma substância chamada bilirrubina;
- Medicações ototóxicas;
- Síndromes neurológicas: Síndrome de Down ou de Waldemburg, entre outros.



Assessoria