.

.

terça-feira, 7 de julho de 2015

Jeová Campos visita obras da transposição no sertão e constata avanços desde a última visita da Frente Parlamentar da Água

O deputado estadual e presidente da Frente Parlamentar da Água da ALPB, Jeová Campos, ficou entusiasmado com o andamento das obras do Lote 7 da transposição do Rio São Francisco. O parlamentar aproveitou o adiamento do reinicio dos trabalhos na ALPB para o próximo dia 13, e na manhã da última segunda-feira (06), foi verificar “in loco” como está o andamento das obras. No dia 20 de março, Jeová e outros deputados paraibanos visitaram esse mesmo canteiro de obra.

Fiquei entusiasmado porque constatei que mais de 80% da obra já está executada e que, de fato, como nos assegurou o ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, os recursos para conclusão das obras da transposição do Rio São Francisco estão assegurados. Muita coisa mudou aqui desde que a Frente Parlamentar da Água visitou esse canteiro de obras em março último”, afirmou Jeová, que durante a visita foi acompanhado por engenheiros da construtora Queiroz Galvão, responsável pelas obras dos lotes 7, na Paraíba, e 6, no CE.

A luta agora, segundo Jeová, é buscar viabilizar a obra do canal que fará a integração do município de Cajazeiras a barragem de Engenheiro Ávidos. “Sem esse trecho, de apenas 13 km, será impossível a água da transposição chegar até Cajazeiras”, afirma o deputado, lembrando que essa obra não está contemplada no projeto inicial da transposição.

As obras da transposição no Lote 7 inicia no túnel Cuncas 1 que tem um canal de cerca de 3 km que deságua na primeira barragem que é o reservatório de Morros. De lá, tem outro canal de cerca de 3 km deságua no reservatório da Barragem de Boa Vista. Da barragem de Boa Vista existe um canal de transição que joga água dentro do túnel Cuncas 2, a partir do qual a água vai para o reservatório de Caiçara. O Lote 6, que fica no Ceará, compreende cerca de 20 km de canais,  diversas pontes e passarelas.  Os dois lotes juntos totalizam uma obra orçada em R$ 650 milhões, sendo 50% para cada lote. As obras integram o eixo norte do canal da transposição das águas, que começa na cidade de Mauriti (CE) e termina em São José de Piranhas (PB). Ambas tem previsão para estarem concluídas até novembro deste ano.


Assessoria