.

.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Denúncia grave de irregularidades no Presídio de Cajazeiras vincula PSB de Cajazeiras e Sousa. PSB contesta

Foto: Diário do Sertão
Uma carta denuncia feita pela EGEPEN – Escola de Gestão Penitenciária da Paraíba apontou graves irregularidades que estariam sendo praticadas pela direção do Presídio Regional de Cajazeiras, o que teria motivado a exoneração do diretor Jailson Matos publicada no Diário Oficial do Estado edição dessa quarta-feira dia 03 que o substituiu pelo diretor adjunto Talles Alves de Almeida.

As denúncias são de que estaria ocorrendo extravio de gêneros alimentícios, inclusive são postados cópias de notas e documentos. Também a carta fala de funcionários fantasmas que há anos estariam recebendo sem trabalhar, e por isso, eles dariam dinheiro que seria revertido para ajudar o partido do PSB de Cajazeiras e Sousa.

Além disso, ainda denuncia a direção de fornecimento de material ilícito a preso. A referida carta contendo denúncias graves teve repercussão e o presidente do PSB de Cajazeiras Rivelino Martins negou qualquer envolvimento direto seu ou do PSB local de conluio com a direção do presídio, mas especificamente sobre a denúncia de que a legenda do governador estaria se beneficiando do esquema montado no presídio regional de Cajazeiras.

Rivelino afirmou que vai buscar providências quanto ao caso. Durante participações nas emissoras de rádio, Rivelino Martins recebeu solidariedade de várias pessoas enaltecendo seu caráter, inclusive, de pessoas ligadas a grupos políticos adversários.

Detentor de conduta ilibada e bastante reconhecido pela população cajazeirense, o diretor Jailson Santos que assumia o cargo de diretor desde o início da gestão do governador, ainda não se pronunciou sobre a carta denúncia e os fatos colocados que tiveram grande repercussão.

A propósito, o ex-diretor recebeu elogios pela sua atuação à frente da direção do Presídio de Cajazeiras. As denúncias devem ser apuradas antes mesmo de ser feita uma condenação ou julgamento precipitado dos citados na carta.



CZN